Notícias

Patologias no concreto: Como prevenir?

Patologias no concreto: Como prevenir?

O surgimento de patologias é um problema recorrente nas estruturas de concreto, não é difícil encontrar algum tipo de falha durante a vida útil da estrutura, no entanto, não é algo que deva ser tolerado, pois, é extremamente prejudicial para a construção como um todo.

Patologias no Concreto Usinado

Fazendo uma simples analogia, as patologias para o concreto são como as doenças para o ser humano, ou seja, elas levam o agente receptor a ter sintomas (efeitos) provocados por uma causa específica. No concreto, elas atacam as propriedades do material influenciando negativamente em suas características, essas patologias podem ter várias causas, desde falhas durante a concretagem até o ataque de agentes agressivos do meio ambiente.

Assim como qualquer doença, as patologias apresentam sintomas e causas que devem ser diagnosticadas por um profissional habilitado, o engenheiro deve ser capaz de detectar a causa de uma patologia a partir dos sintomas apresentados e agir para resolver o problema ou ao menos evitar que ele se agrave. Alguns sintomas são bastante comuns como o surgimento de fissuras por exemplo, outros ocorrem internamente na estrutura como a corrosão na armadura, para cada caso é necessário avaliar com o devido cuidado.

As patologias no concreto usinado, em geral, se manifestam de diferentes formas, na maioria dos casos o efeito principal é o surgimento de fissuras, elas podem ocorrer devido a reação de carbonatação, álcali-agregado, ataque de sulfatos, ataque de ácidos e eflorescências, em seguida serão abordadas as características de cada uma destas patologias e as formas de evita-las.

Patologias no Concreto: Carbonatação

A carbonatação é uma reação que ocorre entre o hidróxido de cálcio presente na pasta de concreto e o gás carbônico, essa reação diminui a alcalinidade da camada protetora existente entre o concreto e a armadura, isso permite que o oxigênio do ar entre e reaja com o ferro provocando uma corrosão generalizada. Quando ocorre a carbonatação o concreto começa a se desprender da armadura, é uma patologia bem característica pois inicialmente as fissuras surgem ao longo do comprimento da armadura principal, logo em seguida partes do concreto começam a cair e a armadura exposta se apresenta claramente enferrujada.

Para evitar problemas com a carbonatação, é preciso atenção com dois fatores importantes, a homogeneidade e o cobrimento do concreto. Quanto a homogeneidade, concretos mais densos ou homogêneos deixam menos espaços para a entrada de água e outras partículas, desta forma, a reação de carbonatação se torna mais lenta e a proteção da armadura é prolongada, quanto ao cobrimento da armadura a situação é semelhante, quanto maior for o cobrimento da armadura, mais difícil de o gás carbônico alcançar a camada protetora entre o concreto e o aço e consequentemente, a corrosão é evitada.

Patologias no Concreto: Reação Álcali-agregado

Nesta situação, os álcalis (sódio e potássio) presentes no cimento ou nos agregados podem reagir com água, formando uma camada expansiva entre a pasta de cimento e os agregados causando assim a separação entre eles, desta forma, o concreto perde as propriedades de resistência e portanto, tem sua durabilidade comprometida.

A reação álcali-agregado não é reversível, isso significa que, uma vez que ela comece a ocorrer, a expansão dos álcalis não pode ser mais evitada, portanto, é preciso tomar os devidos cuidados, principalmente quando há a previsão do elemento estrutural estar em contato com a água ao longo de sua vida útil.

Para evitar que a reação álcali-agregado ocorra é necessário evitar que os álcalis entrem em contato com a água, isso pode ser feito basicamente de duas formas, diminuindo a porosidade do concreto ou diminuindo a proporção de álcalis presentes no cimento ou nos agregados.

Para diminuir a porosidade do concreto, é possível utilizar cimentos com alto teor de argila pozolânica ou escória, é preciso também estar atento no momento da concretagem para se garantir que ocorra a vibração do concreto de forma correta, qualquer falha pode ser um ponto de entrada da água. Outra forma de se fazer isso também é adicionando sílica ativa a mistura no momento de preparação do concreto.

Para reduzir a quantidade de álcalis é preciso utilizar agregados não reativos ou inertes, neste caso é preciso fazer um estudo prévio em laboratório para detectar a quantidade de álcalis, o que nem sempre é viável. Outra forma de se fazer isso é utilizando cimentos com baixo teor de álcalis, também conhecidos como cimentos inibidores. 

Patologias no Concreto: Ataque por sulfatos

Os ataques por sulfatos ocorrem em locais onde há esgotos, resíduos industriais, fertilizantes agrícolas e água do mar. Os sulfatos atacam diretamente o concreto usinado, influenciando principalmente em suas propriedades de resistência. O sintoma que caracteriza este tipo de patologia é a forma como o concreto se transforma em material esbranquiçado e quebradiço, além disso, ocorre a desagregação do concreto com a armadura, gerando fissuras ao longo de todo elemento.

É possível evitar os problemas resultantes do ataque de sulfatos protegendo o concreto deste tipo de componente, isso é possível através da utilização de concretos com alto teor de argila pozolânica, como o CP IV, utilizando este tipo de componente, a porosidade do concreto diminui, e isso dificulta a ação dos sulfatos sobre o material. Outra forma de evitar este problema é utilizando cimento resistente a sulfatos, este tipo de material apresenta baixo teor de aluminato tricálcico (C3A), que é o componente do cimento que reage com os sulfatos.

Patologias no Concreto: Ataque por ácidos

Em regiões próximas ao mar é comum a presença de ácidos no ambiente e isso pode prejudicar o aço presente nas estruturas. O principal agente ácido neste meio é o cloreto de sódio, quando este componente penetra na camada de concreto e ataca o aço, ocorre a oxidação da armadura, esse tipo de patologia se caracteriza por ocorrer em pontos específicos ao longo da barra de aço, diferente da carbonatação, onde a oxidação é generalizada.

Para evitar este tipo de patologia é necessário garantir a qualidade do concreto e também utilizar espessuras de cobrimento coerentes com a classe de agressividade ambiental especificada na NBR 6118, quanto menos poroso for o concreto e quanto maior for a espessura do cobrimento, mais protegido o elemento estrutural estará em relação ao ataque de agentes ácidos.

Patologias no Concreto: Eflorescências

As eflorescências são patologias caracterizadas pelo surgimento de manchas brancas no concreto ou no revestimento, elas são causadas por conta da reação do hidróxido de cálcio com a água. O hidróxido de cálcio presente no concreto e nos revestimentos reage na presença de água, fazendo com que esse componente seja dissolvido, logo em seguida, quando a água evapora, ele vai para a superfície do elemento e reage com o dióxido de carbono, deixando o concreto com falhas visíveis.

Uma forma de evitar a eflorescência é utilizando cimentos com baixo teor de hidróxido de cálcio como o CP III e CP IV, eles tem alto teor de escória e argila pozolânica, que por sua vez, reduzem a porosidade e a quantidade de hidróxido de cálcio presente no cimento.

Conheça mais sobre Concreto em nosso Blog ou acesse ConcretoUsinado.com.br
Para fazer parte do maior Portal de Concreto do Brasil, cadastre sua Concreteira
Ainda restou alguma dúvida? Entre em contato com a Equipe Concreto Usinado.

Revisado por Eng. Bruno Reganati em 15 de maio de 2019

loader pagina